Granbr digital

19 julho 2024
Home » Notícias » Notícias » DIVERSIFICAÇÃO NA SEGUNDA SAFRA: O NOVO HORIZONTE AGRÍCOLA DE 2024

DIVERSIFICAÇÃO NA SEGUNDA SAFRA: O NOVO HORIZONTE AGRÍCOLA DE 2024

Diante de desafios climáticos e de mercado, produtores brasileiros apostam em culturas alternativas para garantir sustentabilidade e rentabilidade. Em um cenário de desafios para a

Diante de desafios climáticos e de mercado, produtores brasileiros apostam em culturas alternativas para garantir sustentabilidade e rentabilidade.

Em um cenário de desafios para a segunda safra de 2024, produtores brasileiros buscam novas estratégias. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento, a área destinada ao plantio de milho deve sofrer uma redução de 7,5%, comparada ao ano anterior.

As baixas cotações do milho e o atraso no plantio da soja são alguns dos motivos para essa diminuição. A preocupação com o clima também pesa na decisão dos agricultores.

Diante dessa situação, o cultivo de alternativas como sorgo, gergelim, algodão, e até arroz ganha força. Especialistas apontam para uma diversificação nas lavouras, buscando adaptar-se às novas condições.

O sorgo, em particular, destaca-se como uma das principais apostas. Sua tolerância a períodos secos e a flexibilidade no plantio o tornam uma opção atrativa, especialmente nas regiões centrais do país.

No Mato Grosso, a procura por culturas alternativas como o sorgo tem aumentado, refletindo em projeções otimistas para a área cultivada.

Além do sorgo, o gergelim também vem ganhando espaço. Produtores em regiões como Canarana, no Mato Grosso, já sinalizam uma preferência por essa cultura, atraídos por sua rentabilidade.

O algodão é outra cultura que se expande, com estimativas da Conab indicando um aumento significativo na área cultivada em relação ao ciclo anterior.

Contudo, nem todas as alternativas apresentam o mesmo potencial de crescimento. O trigo, por exemplo, enfrenta desafios de rentabilidade e janela de plantio, especialmente no Sul.

O girassol e o arroz, por outro lado, surgem como opções viáveis em determinadas regiões, aproveitando os espaços deixados pelo milho.

Esse movimento de diversificação das culturas na segunda safra reflete a busca dos produtores por alternativas mais rentáveis e adaptadas aos desafios climáticos e de mercado.

A decisão por estas culturas alternativas não apenas visa contornar as dificuldades do momento, mas também aponta para uma transformação no panorama agrícola brasileiro, onde a adaptabilidade e a diversificação tornam-se chave para a sustentabilidade e sucesso no campo.

Com o avançar da temporada, fica a expectativa de como essas mudanças influenciarão a produção agrícola nacional e o mercado global de alimentos.

Siga-nos nossas redes sociais para receber em primeira mão as principais notícias do mundo do agronegócio!

+ Notícias

Envie-nos uma mensagem

plugins premium WordPress